Declaração de Compromisso com a Proteção Infantil

Como uma organização cristã internacional comprometida com a justiça para as crianças, o nosso trabalho é fundamentado na Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança. A Visão Mundial está comprometida com o cumprimento dos direitos da criança, o que inclui o seu direito a ser protegida de qualquer dano, e buscar garantir que esse direito à proteção, de acordo com o artigo 19 da Convenção sobre os Direitos das Crianças, sejam realizados. Assumimos com responsabilidade o trabalho com as crianças e por isso buscamos que todas as organizações parceiras e igrejas firmem o compromisso de serem responsáveis em promover práticas que sejam seguras para as crianças afim de protegê-las de danos, abusos, abandono e exploração de qualquer tipo.

Acordamos:

Nas comunicações de todos os tipos, as crianças são tratadas e retratadas com dignidade, e não como vítimas desamparadas.

A prevenção dos danos causados pelas comunicações como mídia social e tecnologia digital (incluindo fotografias/vídeos/clips de áudio, histórias, artigos ou qualquer outro material de comunicação).

A solicitação do consentimento dos responsáveis para o desenvolvimento de vídeos ou fotos das crianças e adolescentes.

O material publicado pela mídia social ou tecnologia digital não contém o sobrenome da criança ou a localização/endereço pessoal da criança.

O compromisso em tomar providências diante de possíveis suspeitas ou denúncias de abusos contra crianças e adolescentes.

A confidencialidade na obtenção, registro e compartilhamento de informações sobre situações de abuso infantil, preservando a criança e o adolescente de qualquer revitimização.

As pessoas que trabalham com as crianças empregam métodos positivos, não violentos para lidar com o comportamento das crianças.

Recomendamos:

O desígnio de pessoas de confiança para o trabalho direto com as crianças, de preferência as que já possuem um tempo importante de convivência na organização ou igreja, cujo o caráter seja conhecido. Para novos integrantes ou membros que se interessem em trabalhar com as crianças, busque referências anteriores.

A nomeação de uma pessoa de referência para o assunto da proteção, eleita pela organização ou igreja, com sabedoria e capacidade de orientar professores e líderes a respeito de suspeitas de violência, além de apoiar possíveis vítimas.

A garantia de que todas as pessoas que trabalham diretamente com as crianças concordem em participar de formações sobre proteção infantil, para que estejam sensíveis para identificar e agir ao perceberem sinais de violência.

Que a organização ou igreja desenvolva uma Política de proteção à Criança para adoção de práticas e rotinas que protejam as crianças e previnam a violência.